Leitura  e arte
Leiturartes
Boa noite! Terça-feira 18 de Fevereiro de 2020 - 23:15:16  -   Passagem das Pedras, Picos - Piauí

Postado em: 15/05/2014 18:33:11 - Por: Nonato Fontes - Visitas: 1080

Amarguras

Nonato Fontes

O verso subiu a ribeira e entrou em minha janela, Não busco flores com isso, apenas recorto pureza, Na busca imensa da glória, triunfo da velhice...

Amarguras

O verso subiu a ribeira e entrou em minha janela,

Não busco flores com isso, apenas recorto pureza,

Na busca imensa da glória, triunfo da velhice,

Cansei de navegar remotamente, abrir a clareira do riso,

Fecharei minha porta um instante, não batam, estou em repouso.

 

Cantos de vitória soaram no horizonte, risos íntimos agonizados,

Busquei ser fiel a todo instante, porém a vida pede passagem.

Rasguei as virgens sombras da aurora, agarrei-me na sutil inutilidade,

Cantei até alguém dá ouvidos, doce e clara futilidade, sagaz inquietude,

Rodeio o invisível dessa selva cheia de feras, de pedras infames.

 

Modesto seria eu continuar, caminhar nas curvas do destino,

Silencioso e astuto, para não ferir meu inimigo, ou amigo,

Mas a mente reluz a piedade, isso fere minha viril vontade,

Mente e corpo a discutir sem chegar a lugar algum,

Findarei meu cansar e penoso grito, silêncio e agonia em meu espírito.

 

Preciso de ar puro, para purificar minha alma, ser livre e feliz,

Viver cada dia, sem dias contados para cumprir,

Ouvir o canto dos pássaros, sobrevoando minha varanda,

Com a cantiga de ninar homem feito, cheio de esperança,

Chamarei o vento para companhia, somente isso e nada mais.

 

    Seja o primeiro a comentar esta matéria!



Ver todas de: poesias