Leitura  e arte
Leiturartes
Boa madrugada! Terça-feira 19 de Novembro de 2019  -   Passagem das Pedras, Picos - Piauí

Postado em: 20/05/2014 - Por: Vilebaldo Rocha - Visitas: 2889

Ozildo Albano: O Paladino da Cultura Picoense

Numa justa e merecida homenagem, o dia do natalício de Ozildo Albano, 20 de novembro, foi instituído como o dia da cultura picoense.

Quando Ozildo faleceu dia 05 de julho de 1989, no velório encontrei a artista plástica e amiga Mundica Fontes. Ela m...

Ozildo Albano: O Paladino da Cultura Picoense

Quando Ozildo faleceu dia 05 de julho de 1989, no velório encontrei a artista plástica e amiga Mundica Fontes. Ela me pediu que escrevesse um texto falando da importância de Ozildo Albano para nossa cultura. Tinha como objetivo colher vários depoimentos de pessoas ligadas às artes e a ele, para fazer-lhe uma homenagem, publicando tais depoimentos em jornais locais. O certo é que não escrevi, e, salvo engano, esses depoimentos também nunca foram publicados.

 

Leia a poesia de Vilebaldo Rocha em sua homenagem: Aqui

 

Algum tempo depois escrevi um poema intitulado "Garimpeiro de Memórias" que foi publicado em jornais e também consta no meu segundo livro de poemas O Caçador de Passarinhos, publicado no início de 2006. Era uma dívida que eu tinha para com esse vate da nossa cultura.

 

Mas na verdade o poema diz pouco, diante do que representa Ozildo no panorama cultural de Picos. O que sei é que ele foi e continua sendo o paladino da nossa cultura.

Pouco convivi com Ozildo, duas ou três visitas ao antigo museu para fazer pesquisas escolares. Ele era sempre prestativo e orientava os estudantes no que fosse possível. Era de uma humildade que espantava: como ser tão rico no saber e tão simples no viver! Na verdade o grande patrimônio era o próprio Ozildo, com toda gama de conhecimentos e vivências de um homem que sempre esteve à frente de seu tempo. Infelizmente, a gente só percebe o verdadeiro valor das pessoas quando as perdemos.

José Albano de Macêdo, porpularmete conhecido como prof. Ozildo Albano, nasceu em 20 de novembro de 1930 em Picos.
Foi um dos fundadores e presidente do "Grêmio Literário Da Costa e Silva". Coordenou várias atividades culturais, serestas e realizou várias encenações de peças teatrais. Trouxe de Recife uma tipografia, e no dia 15 de março de 1952 circulou o primeiro número do jornal estudantil do Ginásio de Picos - "Flâmula". Foi juiz de direito e professor.

Entretanto, sua grande obra foi a fundação do Museu "João Gomes Caminha", legado que ele deixou à sociedade picoense, hoje museu "Ozildo Albano". Não foi obra de uns dias ou alguns anos, mas de toda uma vida: Foram 58 anos, 7 meses e 15 dias de extrema dedicação à cultura, à memória da cidade e de seu povo. Cotidianamente escreveu, comprou, pediu, pesquisou, guardou: escrituras, cartas, fotografias, livros, discos, quadros, relíquias, imagens sacras, etc, etc, etc... 

Muito do que ele garimpou, resgatou e construiu, continua guardado, pois o que hoje está exposto no Museu Ozildo Albano, é bom que se diga, não representa nem cinqüenta por cento do acervo deixado. Muitas peças, documentos, escritos e fotografias, sem contar a vasta e riquíssima biblioteca com mais de dois mil livros, continuam no antigo local onde funcionava o museu "João Gomes Caminha" sem que possa ser disponibilizado à sociedade, isso em virtude da falta de apoio e do descaso por parte dos órgãos governamentais, que pouquíssimo tem feito para que se possa usufruir de todo esse tesouro garimpado por Ozildo Albano.

Apesar dos pesares, Albano, seu irmão, e a família continuam cuidando dessa obra preciosa, dando seguimento ao trabalho por ele iniciado. O próprio museu não recebe verbas suficientes para o seu funcionamento. Certa vez Albano confidenciou-me, que já chegou a recusar objetos que lhe foram oferecidos por não dispor de espaço nem de recursos para acomodar tais relíquias. Declarou-me isto com uma tristeza que doía na alma.

Picos possui um legado valioso, resta agora saber aproveitar, saber usar e contribuir para manter esse patrimônio. Onde estão as escolas que não levam os alunos para visitarem o museu, para aprenderem no museu????!!!!!! O museu é dinâmico, não pára, como disse Cazuza: vejo um museu de grandes novidades, o tempo não pára.

Numa justa e merecida homenagem, o dia do natalício de Ozildo Albano, 20 de novembro, foi instituído como o dia da cultura picoense.
 
                         Picos-PI, 22 de novembro de 2006.
                       -   ( Vilebaldo    Nogueira    Rocha)     -
                 Presidente da União Picoenses de Escritores

 

    Seja o primeiro a comentar esta matéria!



Ver todas de: artigos